Instruções para recomendação técnica

Diagnóstico para controle de A
Quant. B
Unid. C
Nome Comercial D
Class. Tox. E
Dose F
Maneira Aplicação G
Momento da Aplicação H
Equipamento I
Carência / Observação J

Recomendações Técnicas: Informar a cultura e a área a ser tratada.
A) Diagnóstico – indique a praga, doença ou erva daninha, problema para cultura ou tratamento fitossanitário.
B) Quantidades totais a serem adquiridas.
C) Unidade de medida.
D) Nome do produto comercial que deverá ser utilizado.
E) Classe toxicológica ( I – extremamente tóxico, II – altamente tóxico, III – medianamente tóxico, IV – pouco tóxico)
F) Dosagem de aplicação
G) Maneira de aplicação, sendo que no caso de aplicação aérea devem ser regustradas as instrções específicas.
H) Momento e época de aplicação – indicar melhores horários durante o dia e fases da cultura, em função do agente atiológico.
I) Equipamento mais indicado para as condições do produto/segurança
J) Indicações gerais do tratamento/carência.
L) Precauções do uso; primeiros socorros nos casos de acidentes; advertências relacionadas à proteção do meio ambiente; instruções sobre a disposição final de resíduos e embalagens; orientação quanto a utilização de equipamento de proteção individual (EPI), conforme indicado no verso da 2ª via, do agricultor.
M) Orientações quanto ao manejo integrado de pragas.
N) Data, assinatura e carimbo do técnico, com indicação do nome, do registro no Conselho Regional Profissional e do CPF.
Sugere-se que tanto o diagnóstico como a recomendação técnica sigam os seguintes passos:
– Visitas à propriedade;
– Identificação do agente etiológico;
– Recomendação de controle compatível com as condições do requerente e da tecnologia de aplicação;
– No caso de recomendação exigir aplicação de agrotóxico químico sintético, o profissional deve estar ciente das características eco-toxicológicas do princípio ativo, bem como, da legislação fitossanitária federal, estadual e municipal.